Dança

É que eu queria saber se quando a chuva chora triste na sua janela você pensa em mim.
Se o seu travesseiro também guarda flashbacks nossos que te invadem antes de dormir.
Queria saber se quando fecha os olhos consegue se lembrar do seu polegar no meu pulso direito, acaraciando o silêncio que dizia tudo o que não precisava ser dito.
Me pergunto se alguma vez alguma lembrança minha te fez sorrir. E se guarda em você alguns frames meus que te atormentam de repente no meio da multidão.
E se existe alguma coisa minha que te invade quando você menos espera e que fica. E se grita.
E se a saudade vira falta e a falta vira vontade de querer ter começado tudo de novo.
Eu só queria saber se existo aí dentro de você – onde pouca gente alcança – e se lá dentro a gente dói ou dança e acontece num universo qualquer.

Perto

É que apesar de te ter por perto há tanto tempo, ainda queria saber pequenas coisas sobre você. 

Como você é quando acorda. Que carinhos você faz antes de dormir. Será que rouba beijos no meio da tarde, será que entrelaça dedos no escuro? Queria saber se gosta de café forte com bolo de fubá. Se ri de coisas bobas. Se procura formato nas nuvens. Se segura o rosto com as mãos antes de beijar a boca. Se grita que ama no meio da briga.

É que apesar de ter pequeno há tanto tempo, ainda queria saber coisas sobre você bem perto.

Pequeno texto sobre você 

Que tens os olhos ternos de uma leveza breve que nos esquecemos de dar aos dias. E é nessa ternura que recupero minhas forças todos os dias. 

A casa 

Parada em frente às janelas trincadas,

Mãos nos bolsos, pálpebras salgadas.

A casa onde a menina viveu dois amores.

Um quebrado, outro quebrando.
Um errado, outro errando.

pequenos textos sobre o amor – 2

O menino tem mil corações dilacerados.

E a cada vez que ela passa, lhe dói um por um. 

pequenos textos sobre o amor – 1

Tudo o que te dói hoje um dia não doerá mais. Mas algumas dores de amores durarão toda essa tua eternidade. 

Como uma ferida aberta pulsando por trás das costelas.

Desata

A folha em branco me perturba.

Preciso te dizer tanta coisa, mas acabo engasgando nesse teu silêncio.

Então que fique assim, sussurrado de leve na curva do ombro esquerdo. Palavra vazia em voz alta, sem nó. Do quanto sempre foi e sempre será.

Você. Eu. Nós.

Cheio de nada

Ando cansada da contemporaneidade.  Sinto uma sobrecarga de emoções que não acontecia antigamente. Vejo enxurradas de informação irrelevante, ódio gratuito e agressão por todos os meus lados. As notícias há tempos não me comovem, e quando me comovem o fazem de maneira esdrúxula e sem compaixão. Me sinto permissivamente estuprada por uma sociedade dia após dia, em todos os sentidos.

Eu me permito emaranhar em um nó de informação abusiva e fútil que não me acrescenta nada, apenas vazios. E por mais que tente sair, não dá: este nó me engole por todos os lados. As relações humanas, que tanto prezo, de humanas não têm mais nada. São apenas interações tecnológicas cuspindo verborragia. Diariamente me pergunto por onde andam os corações das pessoas e a resposta que sempre me vem à cabeça é que estão delicadamente sendo triturados por sensações manipuladas.

Quando foi que me permiti abrir as pernas para um mundo que não me preenche e não me acrescenta? Quando foi necessário descobrir a opinião de todos sobre tudo?

Tenho uma sensação dúbia sobre esse fenômeno de interação tecnológica. Ao mesmo tempo em que desafia a humanidade a pensar, dialogar e discutir, abre espaço para todo um lixo cibernético e uma alienação sem fim. Por onde anda a empatia do mundo? 

Sinto falta de conhecer as pessoas aos poucos, de saber o que gostam de fazer antes de conhecer sua opinião política. Sinto falta de longos papos filosóficos onde o importante não era ter razão, mas apenas criar possíveis hipóteses – juntos. Sinto falta de não saber o que você pensa a respeito de nada, além do seu amor por Hemingway e sua habilidade infalivel de me fazer rir. 

Sinto falta das tardes longas fazendo bolo com a minha avó. De olhar o teto do quarto enquanto pensava na vida, deitada na cama. Sinto falta de sair para encontrar alguém que me conte sobre a sua vida. De olhar para o céu durante o dia. Sinto falta de ver os olhos das pessoas quando se emocionam, os sorrisos tortos de bom dia, sinto falta da conversa tola sobre astronomia na mesa da padaria. Sinto uma saudade quase irremediável de me encantar com as pessoas.

Fui robotizada por uma sociedade em transe. Vocês gritam muito alto e eu preciso de silêncios. Vocês andam em círculos e eu preciso de caminhos. Estou completamente farta de um nada. Estou cheia de vazios. E cada vez mais transbordo assuntos superficiais, me concentro menos no que faço e não passo da terceira página de um livro. Só me restam a empatia, a compaixão e a vontade cada vez maior de voltar a ser humana. 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 796 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: